Fundo de Perdas e Danos marca início da COP 28

O fundo foi uma das conquistas de conclusão da COP 27 e se consolida como a primeira ação da Conferência em 2023.
Presidente da COP28, Sultan Ahmed Al Jaber, segura um martelo ao lado do ministro das Relações Exteriores egípcio e presidente da COP27, Sameh Shoukry, durante a abertura da COP28 em Dubai nesta quinta-feira.
Presidente da COP28, Sultan Ahmed Al Jaber, segura um martelo ao lado do ministro das Relações Exteriores egípcio e presidente da COP27, Sameh Shoukry, durante a abertura da COP28 em Dubai nesta quinta-feira. Foto: Amr Alfiky/Reuters

Da Redação, com informações da CNN World, G1 e Agência Brasil.

A 28ª edição da Confederação das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas 2023 (COP 28) começou nessa quinta-feira (30), em Dubai, nos Emirados Árabes. Já no primeiro dia de evento, as nações aprovaram o Fundo de Perdas e Danos do Clima com o objetivo de oferecer assistência financeira a países vulneráveis a enfrentar as graves consequências das mudanças climáticas. A iniciativa foi dada como histórica.

Como publicado no site da CNN World, a proposta foi ovacionada de pé pelo público e aprovada sem objeções. “Fizemos história hoje — é a primeira vez que uma decisão foi adotada no primeiro dia de qualquer COP”, disse o Sultan Al Jaber, presidente da COP28. Os detalhes do fundo já haviam sido discutidos previamente, ainda em novembro, em uma reunião pré-COP, mas foram de fato formalizados nessa quinta-feira, na expectava de que isso permita progresso em outras áreas na cúpula.

O Fundo de Perdas e Danos do Clima foi uma das importantes conquistas de conclusão da COP27, a última edição da Conferência da ONU que ocorreu no Egito, em novembro do ano passado. Desde então, a previsão era realizar um trabalho conjunto entre os países para que o dispositivo se concretizasse em 2023.

Segundo a ONU Brasil, o objetivo do fundo é oferecer ajuda financeira às nações mais afetadas pelos impactos do clima, atendendo a uma solicitação antiga dos países que enfrentam as consequências mais graves de eventos climáticos extremos, como enchentes, estiagens e incêndios.

Ainda de acordo com a CNN, alguns países se comprometeram financeiramente com o fundo logo após sua aprovação. Os Emirados Árabes Unidos, país anfitrião da COP28, se comprometeu com $100 milhões, bem como a Alemanha. Por sua vez, o Reino Unido anunciou £60 milhões, parte dos quais será destinada a “outros acordos”, segundo com o comunicado divulgado, enquanto os Estados Unidos se comprometeram com $17,5 milhões para o fundo e o Japão contribuiu com $10 milhões.

A 28ª edição da Conferência das Nações Unidas acontece de 30 de novembro a 12 de dezembro e pretende examinar como os países estão cumprindo suas metas em relação às mudanças climáticas, como, por exemplo, as definidas pelo Acordo de Paris, cujo objetivo é manter o aquecimento global do planeta bem abaixo de 2°C até o final do século.

Expectativas de participação do Brasil na COP 28

A conferência receberá cerca de 70 mil pessoas e representantes de quase 200 países, entre eles o Brasil. O presidente Lula participa da cúpula a partir de sexta-feira (1º) e uma comitiva de diversos ministros é aguardada em Dubai.

Segundo a Agência Brasil, em entrevista em Doha, no Catar, antes de embarcar para Dubai, Lula lembrou da proposta brasileira que consiste na criação de um fundo permanente para financiar florestas tropicais.

“Estamos com um vasto programa, muito grande, de investimento em energia verde renovável, de recuperação dessas terras degradadas. E acho que a discussão que vai se dar na COP ainda pode não ser decisiva, mas vamos ter que mudar o jogo para que as pessoas aprendam que o planeta não está brincando, o planeta está avisando: ‘Cuidem de mim porque senão vocês vão perder’”, ressaltou o chefe do executivo.

Para os representantes brasileiros, esse é apenas um ensaio para a tão aguardada COP 30 que acontece em Belém, em 2025.

Última Edição

Entrevistas

Rolar para cima