Aluguel de imóvel com um dormitório em Manhattan chega a US$ 4 mil

Além da demanda dos possíveis compradores dos locatários remanescentes, há forte emprego na região, mantendo a pressão de alta nos preços
Manhattan, Nova York (EUA). Foto: Athit Perawongmetha / Reuters

Por Anna Bahney / CNN*

Mesmo com os aluguéis caindo em algumas partes dos Estados Unidos, nunca custou tanto alugar um apartamento em Manhattan – região central de Nova York – durante o mês de janeiro quanto neste ano.

Janeiro é normalmente um mês de baixa na busca por habitação, mas o aluguel médio do mês passado foi o mais alto para o período já registrado e o terceiro mais alto de qualquer mês, de acordo com um relatório de Douglas Elliman, uma corretora, e Miller Samuel, uma empresa de avaliação e consultoria.

“Os aluguéis estão muito próximos da alta do verão, e estamos apenas em janeiro, que normalmente é um período de aluguel mais fraco”, disse Jonathan Miller, presidente e CEO da Miller Samuel.

“Quase todos os indicadores de preço estão próximos ou em recordes históricos. Parece confirmar que os aluguéis não vão cair.”

O custo médio de alugar um apartamento em Manhattan foi de US$ 4.097 em janeiro. Isso representa um aumento de 15,4% em relação ao ano anterior e de 1,2% em relação a dezembro.

Um apartamento com um quarto registrou um valor médio de US$ 4.000, aumento de 14,3% em relação ao ano passado, enquanto um de dois quartos atingiu um aluguel médio de US$ 5.532, aumento de 11,8%.

Como o aluguel atingiu o pico no verão, havia uma expectativa de que os aluguéis caíssem durante o outono e o inverno, disse Miller.

Mas em janeiro, quando a taxa de vacância caiu pela primeira vez em nove meses e o número de novos aluguéis expandiu anualmente pela primeira vez em três meses, os preços permaneceram fortes, subindo ligeiramente acima de dezembro.

“O oposto do aumento dos aluguéis não é necessariamente a queda dos mesmos, é a estabilização”, disse Miller. “E agora os aluguéis estão se movendo de lado, se não subindo um pouco.”

A acessibilidade continua a ser um desafio em todo o mercado imobiliário, com taxas de hipoteca mais altas tornando a compra de imóveis fora do alcance de muitas pessoas que continuam alugando – e impulsionando uma forte demanda por aluguéis.

Além da demanda dos possíveis compradores dos locatários remanescentes, há forte emprego na região, mantendo a pressão de alta nos preços.

“Apesar das expectativas, os aluguéis de janeiro certamente mostram que, enquanto as taxas de juros permanecerem tão altas quanto estão, os valores podem subir ainda mais”, disse Miller. “É claro que uma perda significativa de empregos criará um ambiente de aluguel mais baixo.”

Miller está chamando 2023 de “ano de decepção” para aqueles que procuram moradia, “porque não esperamos um aumento significativo na acessibilidade, salvo uma recessão”.

Entrevistas

Rolar para cima