Ataque russo deixa ao menos 30 mortos na Ucrânia

Governo ucraniano acusa a Rússia de usar misseis de cruzeiro, balísticos e hipersônicos, além de drones, durante o ataque desta sexta-feira, 29
Prédio bombardeado em Dnipro, na Ucrânia, nesta sexta, 29. Foto Mykola Synelnykov/ Reuters

Da Redação, com informações do g1

Nesta sexta-feira, 29, a Russia fez uma das maiores ofensivas deste ano contra a Ucrânia. Até o momento, a informação é de 30 pessoas mortas e 60 feridas. Ase xplosões foram reportadas ao longo da madrugada e da manhã na capital Kiev e em outras cidades grandes, como Kharkiv e Lviv.

Segundo a Força Aérea da Ucrânia, a Rússia usou misseis de cruzeiro, balísticos e hipersônicos, além de drones. O Ministério da Defesa ucraniano diz que as forças russas lançaram 158 mísseis contra a Ucrânia, muito mais que a média observada ao longo deste ano. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky disse que entre os alvos bombardeados, estão uma maternidade, escolas, shoppings e residências.

A Polônia, vizinha da Ucrânia e parte da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), disse suspeitar que um dos mísseis atingiu seu espaço aéreo, e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, também membro da Otan, disse estar estudando respostas.

“Infelizmente, houve mortes e feridos como resultado dos ataques. Certamente responderemos aos ataques terroristas. E continuaremos a lutar pela segurança de todo o nosso país”, escreveu Zelensky em uma rede social.

À imprensa russa, o porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, Igor Konashenkov, confirmou o ataque em série, mas alegou que apenas alvos militares foram atacados.

O governo ucraniano negou e disse ainda que a Rússia mirou também infraestruturas sociais, uma tática que tropas de Moscou usaram ao longo de 2023 para tentar desestabilizar cidades da Ucrânia.

Atualmente, tropas russas controlam cerca de 20% do território ucraniano.

Última Edição

Entrevistas

Rolar para cima