Dimicro é inaugurado por Alckmin em terreno cedido pela Suframa no Distrito 2

O evento de inauguração foi a terceira atividade da agenda do ministro na capital amazonense
Fotos: Dhyeizo Lemos e Clóvis Miranda / Semcom - Isaac Júnior/Suframa

Uma espera que durou quase 20 anos, o Distrito de Micro e Pequenas Empresas de Manaus (Dimicro) foi inaugurado nesta terça-feira (25) à tarde pelo prefeito de Manaus, David Almeida, e o vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (Mdic), Geraldo Alckmin.

Criado por meio da Lei nº 1238/2008 em uma área de terras cedidas por doação pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), o empreendimento passa a funcionar num espaço de 74 mil m², no bairro Distrito Industrial 2, zona Leste da cidade, com 28 galpões e a geração de 400 empregos diretos.

O evento de inauguração foi a terceira atividade da agenda do ministro na capital amazonense. Pela manhã, ele já havia estado na Suframa para a solenidade de assinatura do contrato de gestão do novo Centro de Bionegócios da Amazônia (CBA), e para presidir a 310ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da Suframa (CAS).                

Fotos: Dhyeizo Lemos e Clóvis Miranda / Semcom – Isaac Júnior/Suframa

O Dimicro possui ainda áreas comuns, refeitório, sala de qualificação e descompressão, auditório, vestiários e estacionamento. A iniciativa vai ajudar no desenvolvimento da região, segundo Alckmin.

“Precisamos estimular a atividade empreendedora e os empreendedores. Eu vi ali, com orgulho, as pessoas querendo mostrar o resultado de sua atividade, a pequena indústria mostrando a força, o estímulo, a garra do empreendedor brasileiro. E dessas pequenas empresas, nós vamos ter, amanhã, empresas maiores contratando mais pessoas e ajudando o crescimento da região”, frisou o ministro.

A comitiva que foi ao Dimicro contou também com a presença do superintendente da Suframa, Bosco Saraiva; do vice-governador, Tadeu de Souza; do cardeal e arcebispo metropolitano de Manaus, Dom Leonardo Steiner, entre outros convidados.

O grupo visitou alguns empreendimentos e pôde conferir a exposição de produtos como o chocolate Nakau, que é feito com cacau da Amazônia; de equipamentos hospitalares; fabricação de pneumáticos e aproveitamento de material reciclável que é transformado, inclusive, em vassoura.

Fotos: Dhyeizo Lemos e Clóvis Miranda / Semcom – Isaac Júnior/Suframa

Outro ponto visitado foi o da indústria de embalagens, onde foram repassadas informações sobre todo o processo de industrialização e o destino final da mercadoria. No empreendimento de dona Naíza Mourão, por exemplo, que tem dois anos de atividade, a primeira máquina faz o corte e dá forma na caixa de papelão; a segunda imprime a marca e a terceira faz a embalagem.

“Hoje nós abastecemos o Polo Industrial de Manaus e a nossa produção mensal é de cinco mil caixas. Temos oito funcionários diretos e doze indiretos. A chegada do Dimicro é o que precisávamos para crescer”, comemorou a microempresária.                                                          

Resgate

Para o prefeito David Almeida, a ação representou um ato de resgate de um espaço que, segundo ele, estava abandonado. “Hoje estamos entregando um local humanizado”, destacou.

Balanço

Fotos: Dhyeizo Lemos e Clóvis Miranda / Semcom – Isaac Júnior/Suframa

Ao final da visita, o superintendente Bosco Saraiva fez um balanço de toda a agenda realizada nesta terça-feira e considerou a vinda do ministro de suma importância, no que se refere à importância do projeto Zona Franca de Manaus para o Brasil.

“Importantíssima a vinda do presidente ao Amazonas, até a Suframa, para presidir mais uma vez a reunião do CAS. Isso resulta, exatamente, no prestígio da Autarquia e da Zona Franca de Manaus para o Brasil. Vida nova, vida autônoma para o CBA. O centro representa o futuro da pesquisa e da ciência, dos negócios das empresas da nossa região. Já em relação ao Dimicro, trata-se de uma incubadora para 28 microempresas que também representa um evento fantástico que foi inaugurado pela prefeitura de Manaus. Significa mais emprego e esperança para que esses microempreendedores se tornem médias, pequenas e grandes empresas posteriormente”, destacou Bosco Saraiva.

Entrevistas

Rolar para cima