Empresas têm relevante papel na saúde mental de trabalhadores

O Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção de transtornos mentais e ao suicídio, realizada mundialmente durante o mês de setembro
Foto: Freepik

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que 264 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de depressão e ansiedade, o que não só é um grande problema de saúde pública que merece atenção, mas também causa perda de cerca de US$ 1 trilhão por ano à economia mundial. Os números revelam a importância de as empresas também aderirem a campanhas de conscientização sobre o cuidado com a saúde mental, especialmente o Setembro Amarelo, celebrado neste mês. 

Embora possa ter fatores genéticos e bioquímicos, a depressão e a ansiedade também podem ser ocasionadas pelo que o Ministério da Saúde (MS) chama de ‘eventos vitais’, como situações de grande estresse ou traumas de vida. Esses episódios podem ocorrer em quase qualquer ambiente, incluindo o mundo do trabalho.

Em uma pesquisa da consultoria Capita, 47% dos entrevistados disseram achar normal sentir ansiedade e estresse no âmbito profissional. A maioria (53%) afirmou também conhecer alguém que foi forçado a deixar o emprego devido ao estresse. 

Para combater esse cenário, empresas têm investido cada vez mais em ações voltadas para o cuidado com a saúde mental dos colaboradores. Um levantamento da Wellable, uma plataforma de gerenciamento de bem-estar de funcionários, revelou que 67% das companhias consultadas oferecem programas de assistência a colaboradores e 46% valorizam recursos de educação em saúde mental, como palestras e treinamentos.

Colaboradora na função de compradora plena do Grupo Tapajós, empresa líder no ramo farmacêutico da Região Norte, Sidriane Guimarães avalia como essencial o fato de a empresa oferecer aos funcionários, semanalmente, atendimento gratuito de psicologia na sede da empresa, em Manaus, ou no formato on-line para qualquer um dos mais de 2 mil colaboradores espalhados nos quatro estados em que atua (Amazonas, Roraima, Rondônia e Pará).

“Acredito que o acompanhamento psicológico oferece uma série de benefícios, como a melhoria da saúde mental, a redução do estresse e ansiedade, o desenvolvimento de habilidades de enfrentamento, a promoção da autoconsciência e autoestima, além de proporcionar um espaço seguro para explorar emoções e traumas. Nem todo mundo tem essa acessibilidade aos profissionais da área”, destaca.

Outra colaboradora do grupo, que preferiu não ter o nome revelado, possui transtorno de ansiedade e viu os sintomas aumentarem após ser promovida por sua dedicação à empresa. “Eu não me sentia capaz ou apta, o que fez com que meus episódios de ansiedade ficassem mais frequentes”. 

Foi quando descobriu que a empresa oferecia gratuitamente o serviço de psicologia. “Em uma conversa com colegas do setor, eles informaram que tinha uma profissional que estava realizando atendimentos e auxiliando muito os funcionários”, lembra. E assim ela passou a fazer terapia em um tempo reservado no próprio local de trabalho. 

Além do profissional que fica disponível pela empresa, todos os colaboradores e familiares diretos podem fazer acompanhamento psicológico ou psiquiátrico por meio do plano de saúde disponibilizado pela companhia. Da mesma forma, há opções de atendimento presencial e também no formato on-line.

Higiene mental

Mas a atenção à saúde mental não para por aí, já que segundo a coordenadora de desenvolvimento organizacional do Grupo Tapajós, Elaine de Sousa Araújo, a empresa investe há anos na chamada ‘higiene mental’ de colaboradores. A expressão define a ‘limpeza’ ou proteção da mente contra pensamentos negativos, especialmente de medo e ansiedade.

“Temos uma plataforma de treinamentos, a Universidade Corporativa, na qual estão disponíveis vários cursos voltados para a qualidade de vida e também questões motivacionais, tanto para o nosso tipo de negócio como para o crescimento pessoal do colaborador. Além disso, temos uma frequência de palestras realizadas no auditório da empresa, sempre de cunho motivacional”, comenta.

A próxima palestra já está marcada para o dia 12 de setembro. O evento contará com as psicólogas da própria empresa, Jackeline Brandão e Marcione Almeida, e será voltado para promover informações sobre o Setembro Amarelo, incluindo a prevenção a transtornos mentais e ao suicídio. “A palestra vai ser on-line para que nós possamos atingir os colaboradores das nossas filiais e também o público externo que quiser assistir”, afirma a coordenadora.

Abertura

Ainda sobre a pesquisa da consultoria Capita, quase a metade (49%) dos entrevistados afirmou não achar que o seu superior imediato saberia o que fazer se o colaborador conversasse com ele sobre um problema de saúde mental. No Grupo Tapajós, Elaine diz que os gestores são treinados para que haja essa abertura no ambiente de trabalho.

“Os nossos gestores de loja têm uma tendência a diariamente fazer reuniões. Esses encontros têm, inclusive, nomes, como ‘Bom Dia com Sucesso’ e ‘Bom dia com Amor’, e eles trabalham bastante a questão emocional, principalmente porque o nosso negócio é de saúde e qualidade de vida. Uma das perguntas que colocamos nessas rodas é ‘como você está se sentindo hoje?’, justamente para estimular essa abertura emocional”, comenta.

Setembro Amarelo

O Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção de transtornos mentais e ao suicídio, realizada mundialmente durante o mês de setembro. Seu principal objetivo é alertar a sociedade para a importância de discutir abertamente temas relacionados à saúde mental, eliminar estigmas e oferecer apoio às pessoas que estão enfrentando crises emocionais. 

A campanha busca promover a empatia, a escuta ativa e o acesso a recursos de assistência psicológica, visando reduzir os índices de suicídio e promover uma mentalidade mais saudável em relação à saúde mental. Se precisar de ajuda, ligue gratuitamente para 188 (Centro de Valorização da Vida) em qualquer horário.

Fonte: Repercussão C&M

Última Edição

Entrevistas

Rolar para cima