Fundos ESG conseguiram atrair investidores, apesar de ano desafiador

Investimento sustentável gerou retornos semelhantes aos do mercado
Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Por Nicole Goodkind / CNN Nova York

Os fundos ESG, investimentos que avaliam empresas usando fatores ambientais, sociais e de governança, acabaram de sobreviver a um 2022 tumultuado.

Eles também conseguiram atuar de acordo com o mercado em geral e atrair dinheiro novo, um bom sinal para o futuro do investimento responsável.

O que está acontecendo

A guerra da Rússia na Ucrânia forçou os comerciantes a reconsiderar o investimento em certos estoques de energia e armas. Esse maior escrutínio também contribuiu para as diferenças políticas em torno do investimento ESG e abriu as portas para críticos vocais.

Fundos de investimento responsável também enfrentaram fortes ventos econômicos contrários. Os investimentos exagerados desses fundos em ações de tecnologia e a falta de ações de energia (que foi o único setor positivo no ano passado) levaram a perdas perceptíveis para os fundos ESG no geral durante o ano passado.

energia foi o setor de mercado com melhor desempenho em 2022, retornando cerca de 66%, enquanto o setor de tecnologia mais amplo perdeu 28%.

Ainda assim, o investimento sustentável gerou retornos semelhantes aos do mercado. O amplo Índice de Sustentabilidade da Morningstar nos EUA caiu 18,9% em 2022; o S&P 500 caiu 19,4%.

Em escala global, os fundos ESG também atraíram fluxos de investimento positivos, mesmo quando o dinheiro foi retirado de fundos mais amplos, de acordo com dados da Refinitiv Lipper fornecidos exclusivamente ao Before the Bell.

Fundos de hedge e outros investidores institucionais venderam ações e mantiveram dinheiro em seu lugar. O Goldman Sachs relata que os fundos aumentaram suas reservas de caixa para cerca de 2,5% de suas carteiras totais no outono passado. Isso é um ponto percentual maior do que no final do ano passado e o nível mais alto desde o início de 2020.

Mas os fluxos ESG permaneceram fortes, especialmente no exterior. ESG representou 65% de todos os fluxos para ETFs europeus em 2022, de acordo com dados da Morningstar.

Conclusão

“A conclusão geral de 2022 é que os produtos ESG atraíram entradas mais consistentes e terminaram o ano em território de fluxos positivos, enquanto o mercado de fundos mais amplo registrou fluxos gerais negativos no ano”, disse Robert Jenkins, chefe de pesquisa global da Lipper. “Esta é uma boa indicação de que, apesar de algumas das questões e debates sobre ESG, a tendência subjacente permaneceu intacta em um dos mercados de investimento mais desafiadores de uma geração.

Uma moeda de um trilhão de dólares não resolverá os problemas da dívida dos EUA

Não existe almoço grátis e definitivamente não existe moeda de platina de US$ 1 trilhão. Mas ambos seriam bons.

A ideia dessa supermoeda tornou-se uma solução hipotética popular para os problemas da dívida dos EUA, já que o país novamente atinge seu limite de dívida auto-imposto e enfrenta a possibilidade de inadimplência em suas dívidas.

Aqui está a ideia que alguns funcionários do governo Biden e democratas lançaram: há uma lei obscura que permite ao Tesouro dos EUA cunhar e distribuir moedas de platina em qualquer denominação. O Tesouro poderia cunhar uma moeda no valor de US$ 1 trilhão, depositá-la no Federal Reserve e permitir que o governo continuasse pagando suas contas.

Parece bastante simples, certo? Os especialistas não concordam. Economistas dizem que essa forma audaciosa de evitar a inadimplência abalaria a confiança no dólar e no Tesouro dos EUA tanto ou até mais do que uma inadimplência real. Alimentar a inflação também é uma possibilidade real quando você adiciona US$ 1 trilhão à economia dos EUA do nada.

Neste fim de semana, a secretária do Tesouro e ex-presidente do Fed, Janet Yellen, pôs fim a qualquer plano de moeda de um trilhão de dólares, explicando que o Federal Reserve provavelmente não aceitaria.

“Realmente não é de forma alguma dado como certo que o Fed faria isso, e acho que especialmente com algo que é um truque”, disse ela em uma entrevista de domingo ao The Wall Street Journal. “O Fed não é obrigado a aceitá-lo… Cabe a eles o que fazer”.

O impacto real

Yellen disse que os impactos de um calote da dívida seriam sentidos por todos os americanos.

“Se isso acontecesse, nossos custos de empréstimos aumentariam e todos os americanos veriam que seus custos de empréstimos também aumentariam”, disse Yellen. “Além disso, a falha em fazer os pagamentos devidos, sejam os detentores de títulos ou beneficiários da Previdência Social ou nossos militares, sem dúvida causaria uma recessão na economia dos EUA e poderia causar uma crise financeira global.”

Alertas terríveis sobre problemas no teto da dívida não são novos, relata minha colega Alicia Wallace. Os legisladores federais chegaram a acordos no passado, e este Congresso tem algum tempo – pelo menos até o início de junho, de acordo com as estimativas públicas de Yellen – para chegar a um acordo sobre aumentar ou suspender o limite da dívida.

Brasil e Argentina podem criar uma nova moeda

Brasil e Argentina estão iniciando os preparativos para uma nova moeda comum, de acordo com um artigo escrito pelo presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva e pelo líder argentino Alberto Fernandez.

“Pretendemos superar as barreiras ao nosso câmbio, simplificar e modernizar as regras e incentivar o uso das moedas locais”, escreveram no artigo, publicado neste fim de semana pelo site argentino Perfil.

“Também decidimos avançar nas discussões sobre uma moeda sul-americana comum que possa ser usada tanto para os fluxos financeiros quanto comerciais, reduzindo os custos das operações e nossa vulnerabilidade externa”, disseram.

Lula também mencionou a ideia de uma moeda comum durante sua campanha e políticos dos dois países discutiram a ideia em 2019, mas foram rejeitados pelo Banco Central do Brasil.

A taxa de inflação na Argentina foi de 94,8% em dezembro.

Entrevistas

Rolar para cima