Intel dá uma de suas previsões mais pessimista de todos os tempos

Os últimos resultados e perspectivas foram “muito fracos”, disse Aaron Rakers, analista da Wells Fargo
Foto: Divulgação

A Intel apresentou uma das previsões trimestrais mais sombrias de sua história depois que uma queda nos computadores pessoais devastou os negócios da fabricante de chips, derrubando as ações e atrasando ainda mais os esforços de recuperação.

A empresa previu uma perda surpreendente no período atual e uma faixa de vendas que ficou aquém das estimativas dos analistas em bilhões de dólares. No limite inferior das projeções da Intel, a receita seria o menor total trimestral desde 2010.

É uma admissão dolorosa para uma empresa que tenta um retorno de vários anos sob o comando do CEO, Pat Gelsinger, que assumiu o comando em 2021. Uma desaceleração pós-pandemia no principal negócio da Intel, chips para PC, torpedeou os esforços para obter o desempenho financeiro da empresa de volta ao curso. Em vez disso, está apenas perdendo mais terreno. “Gostaria de lembrar a todos que estamos em uma jornada de vários anos”, disse Gelsinger durante teleconferência.

As ações subiram 14% este ano, parte de uma recuperação das ações de chips, mas o declínio da Intel após o expediente ameaça acabar com a maior parte desse ganho. Os últimos resultados e perspectivas foram “muito fracos”, disse Aaron Rakers, analista da Wells Fargo, em nota, e não havia previsão para o ano inteiro – aumentando a incerteza.

Além da Intel, os números indicam que a queda na demanda por PCs pode persistir este ano, e os resultados pesaram sobre as ações de fabricantes de chips como Advanced Micro Devices (AMD) e Nvidia. A Intel previu que sua margem bruta – a porcentagem de vendas remanescentes após a dedução do custo de produção – seria de 39% no primeiro trimestre. Isso representa uma queda de 14,1 pontos em relação ao mesmo período do ano anterior e mais de 10 pontos a menos que a de sua rival mais próxima, a AMD.

As vendas do primeiro trimestre serão de US$ 10,5 bilhões a US$ 11,5 bilhões, disse a fabricante de chips. Isso se compara com uma estimativa média de Wall Street de US$ 14 bilhões. A Intel espera perder US$ 0,15 no trimestre, excluindo alguns itens. Os analistas haviam projetado um lucro de US$ 0,25.

Em uma base ajustada, a previsão da Intel para o primeiro trimestre marca sua primeira previsão de prejuízo em décadas. Para voltar aos trilhos, a empresa precisa que os fabricantes de computadores trabalhem rapidamente com os estoques e voltem a encomendar componentes. Isso ajudaria a Intel a fortalecer suas finanças, que já estavam sobrecarregadas por planos ambiciosos de atualizar sua tecnologia.

A Intel vem cortando custos para lidar com a desaceleração. Três meses atrás, ela disse que reduções de pessoal, gastos mais lentos em novas fábricas e outras medidas de aperto de cinto resultariam em economias de US$ 3 bilhões este ano. Esse número aumentará para US$ 10 bilhões anualmente até o final de 2025, disse a empresa. “Continuaremos a enfrentar os desafios de curto prazo enquanto nos esforçamos para cumprir nossos compromissos de longo prazo”, disse Gelsinger, em comunicado.

De acordo com o plano de Gelsinger, a Intel visa acelerar a introdução de novas tecnologias de fabricação – aumentando a uma taxa nunca antes tentada em semicondutores. Ele também planeja construir fábricas nos Estados Unidos e na Europa, desviando a concentração da produção da Ásia.

E Gelsinger procura transformar a Intel em mais uma fabricante terceirizada, prestando serviço para outras empresas e desafiando a Taiwan Semiconductor Manufacturing Co (TSMC). O alto custo de realizar todos esses sonhos preocupava analistas e investidores mesmo antes da última crise.

Espera-se que a Intel obtenha assistência do governo para ajudar a financiar a expansão da fábrica, e seu plano de corte de custos ajudará. Mas reconquistar a participação de mercado e retornar suas margens de lucro antes invejáveis para a faixa de 50% não é “um esforço pequeno”, disse Jason Pompeii, analista da Fitch Ratings, em nota.

Em uma nota mais positiva para os investidores, a empresa continua comprometida em oferecer um dividendo competitivo, disse o diretor financeiro, Dave Zinsner, na quinta-feira.

No quarto trimestre, a Intel registrou prejuízo líquido de US$ 664 milhões, ou US$ 0,16 por ação, abaixo do lucro no mesmo período do ano anterior. A receita caiu 32%, para US$ 14 bilhões, atingindo seu nível mais baixo desde 2016. Excluindo certos itens, os ganhos foram de US$ 0,10 por ação. Wall Street esperava um lucro de US$ 0,19 sobre vendas de US$ 14,5 bilhões.

A empresa espera “volatilidade em todos os mercados” este ano. O mercado de PCs será um ponto particularmente fraco, encolhendo para o limite inferior da gama de previsões da Intel – ou cerca de 270 milhões de unidades.

O mercado de servidores também se contrairá no primeiro semestre do ano, disse a Intel. Como os fabricantes de PCs, esses clientes estão cortando pedidos enquanto trabalham com estoques não utilizados. A Intel espera que o mercado de servidores retome o crescimento no segundo semestre de 2023.

A receita de computação para clientes encolheu 36%, e a receita operacional da unidade de chip para PC caiu 82%. Os mercados de consumo e educação foram especialmente atingidos, disse a Intel. As vendas de data centers diminuíram em um terço e o lucro operacional dessas empresas foi reduzido em 84%.

A indústria de computadores está passando por uma redefinição gigante após um aumento nas vendas impulsionada pela tendência de trabalhar em casa. As remessas de PCs caíram 16% em 2022 e cairão novamente para apenas 260 milhões este ano, de acordo com uma estimativa do analista da Northland Securities, Gus Richard. Isso está abaixo dos quase 350 milhões em 2021.

A Intel ainda domina o mercado de processadores usados em servidores, com uma participação de mais de 70%. Mas seu controle sobre esse mercado lucrativo caiu. A empresa demorou a lançar novos produtos nos últimos anos, e rivais como a AMD obtiveram ganhos. Alguns clientes também estão desenvolvendo chips internos para substituir os processadores Intel. Isso tudo trouxe uma recessão dolorosa para a Intel, que já controlou 99% do mercado.

Fonte: Valor Econômico

Entrevistas

Rolar para cima