Mercado de energia renovável deve movimentar US$ 124 bi no país até 2040

Projeções realizadas pela consultoria McKinsey mostram que o Brasil é uma das grandes apostas quando o assunto é energia verde
Foto: Pexels

Por Sofia Kercher sob supervisão de Thâmara Kaoru / CNN

Os mercados de energia renovável, energia e materiais de base biológica e mercados de carbono devem movimentar mais de US$ 124 bilhões no Brasil até 2040. Para o hidrogênio verde, as estimativas para o país são de US$ 20 bilhões.

As projeções, realizadas pela consultoria McKinsey, mostram que o Brasil é uma das grandes apostas quando o assunto é energia verde. O país possui fontes de energia renovável em abundância, como hidrelétrica, biomassa, eólica e solar.

Além disso, especialistas acreditam que o país poderá ser um importante aliado na produção do hidrogênio verde, já apelidado de combustível do futuro.

Metas

Até 2030, a Organização das Nações Unidas (ONU) definiu 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Entre eles, está a meta de assegurar o acesso universal, livre e a preços acessíveis de energia renovável.

”Se pensarmos de uma maneira mais ampla, temos essa tendência de descarbonização da economia global. Na minha avaliação, podemos até discutir a velocidade com que ela vai acontecer, mas é uma tendência irreversível”, disse João Guillaumon, sócio da McKinsey.

No mercado de hidrogênio verde, a empresa química Unigel já saiu na frente: a companhia investiu R$ 120 milhões na primeira fábrica brasileira do insumo.

”Esse investimento foi a porta de entrada para um universo que se revelou muito maior, então a amônia verde derivou da discussão do hidrogênio verde, que hoje é uma das principais apostas deste século para a Nova Era da energia. Uma energia sem carbono”, destacou Luiz Felipe Fustaino, diretor de relações com investidores da Unigel.

Na COP-27, os países participantes definiram a criação de um fundo de perdas e danos, para a destinação de dinheiro para eventos como elevação do nível do mar e tempestades graves.

Desafios

Porém, um fator importante foi deixado de lado: quais países serão os contribuintes. Um fator muito importante que ficou dessa COP é: quem vai pagar a conta? Porque o evento terminou com a criação de um fundo internacional para auxílio dos países mais afetados com as mudanças climáticas, só que o fundo existe no papel.

O importante é que tenha recursos, e que este fundo efetivamente receba recursos para que não fique só uma decisão burocrática”, disse Pedro Côrtes, professor do Instituto de Energia e Ambiente da USP.

Com o interesse crescente pela agenda ESG, também cresce a disponibilidade de opções para os investidores interessados no tema.

”O Brasil é muito bem servido por empresas de capital aberto, com fontes limpas e renováveis. Então aquelas que operam com energia sujas, são mais exceção do que a regra. Na realidade, a regra é exatamente você ter empresas que são muito mais expostas a fontes renováveis, como por exemplo, a energia hidrelétrica, a eólica, solar, do que energias tidas como sujas”, pontuou Vitor Souza, analista do setor elétrico e de saneamento da Genial Investimentos.

Última Edição

Entrevistas

Rolar para cima