“Rezemos pela paz na Palestina e em Israel”, diz papa, na mensagem de Natal

Papa Francisco pede um cessar-fogo e faz um apelo "ao fim das operações militares com a sua terrível colheita de vítimas civis inocentes"
Foto: Reprodução/ Vaticano

Da Redação , com informações da CNN

Em sua tradicional mensagem do dia de Natal, a “Urbi et Orbi”, o papa Francisco falou sobre a guerra e suas consequências para pessoas inocentes. Ele descreveu a guerra como “uma viagem sem rumo, uma derrota sem vencedores, uma loucura indesculpável”, referindo-se especialmente ao conflito entre Israel e Hamas, no Oriente Médio. “Rezemos pela paz na Palestina e em Israel”, disse o pontífice de 87 anos.

Urbi et Orbi – que significa “para a cidade [de Roma] e para o mundo” em latim – é um discurso papal e uma bênção dada em ocasiões importantes.

“Apelo ao fim das operações militares com a sua terrível colheita de vítimas civis inocentes, e apelo a uma solução para a situação humanitária desesperada através de uma abertura à prestação de ajuda humanitária”, disse ele da varanda da Basílica de São Pedro, na cidade do Vaticano.

O Papa Francisco repetiu o seu apelo a um cessar-fogo na guerra Israel-Hamas e ao mesmo tempo reiterou o seu “apelo urgente” para que os reféns sejam libertados.

Sara Netanyahu, esposa do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, enviou uma carta ao Papa no domingo, solicitando a sua ajuda para a libertação dos reféns israelitas detidos pelo Hamas em Gaza. O Papa Francisco apelou repetidamente à libertação dos cativos e reuniu-se com alguns dos seus familiares em Novembro.

Durante as suas observações, o Papa descreveu as crianças “devastadas” pela guerra como os “pequenos Jesuses” de hoje, lamentando o número de “inocentes” que estão a ser “massacrados no mundo”, incluindo aqueles que estão no “ventre das suas mães” e outros que são “em odisseias empreendidas no desespero e em busca de esperança.”

O Papa também apelou à paz nos conflitos em todo o mundo, incluindo na Ucrânia, na Síria, na República Democrática do Congo e no Sudão do Sul.

Ele reiterou as suas críticas ao comércio de armas, que rotulou de “os interesses e os lucros que movem as cordas das marionetes da guerra” e lamentou que “a produção, as vendas e o comércio de armas estejam em ascensão”.

Última Edição

Entrevistas

Rolar para cima