“Tirem as mãos da África”, diz papa Francisco em crítica à exploração mineral do continente

"O veneno da ganância manchou seus diamantes com sangue", reiterou Francisco, primeiro pontífice a visitar a República Democrática do Congo desde 1985
Papa Francisco durante a entrevista ao jornal espanhol ABC. Foto: Divulgação

Por Phillip Pullella e Paul Lorgerie / Reuters

papa Francisco denunciou o “veneno da ganância” por recursos minerais, que impulsiona o conflito na República Democrática do Congo, ao iniciar uma visita oficial nesta terça-feira, dizendo que o mundo rico tinha que perceber que as pessoas eram mais preciosas do que os minerais da terra abaixo delas.

Francisco, de 86 anos, é o primeiro pontífice a visitar o Congo desde João Paulo 2º em 1985, quando o país ainda era conhecido como Zaire. Cerca de metade dos 90 milhões de habitantes do Congo são católicos.

Dezenas de milhares de pessoas aplaudiram enquanto o pontífice viajava do aeroporto para a capital Kinshasa em seu papamóvel, alguns se desgarrando da multidão para acompanhar seu comboio enquanto outros cantavam e agitavam bandeiras em uma das mais vibrantes boas-vindas de suas viagens ao exterior.

Mas o clima mudou quando o papa fez um discurso para dignitários no palácio presidencial, condenando “terríveis formas de exploração, indignas da humanidade” no Congo, onde vastas riquezas minerais alimentaram a guerra, o deslocamento e a fome.

“É uma tragédia que essas terras, e mais geralmente todo o continente africano, continuem sofrendo várias formas de exploração”, disse ele. “O veneno da ganância manchou seus diamantes com sangue”, disse ele, referindo-se especificamente ao Congo.

“Tirem as mãos da República Democrática do Congo! Tirem as mãos da África! Parem de sufocar a África: não é uma mina a ser despojada ou um terreno a ser saqueado”, disse ele.

O Congo tem algumas das reservas mais ricas do mundo em diamantes, ouro, cobre, cobalto, estanho, tântalo e lítio, minerais que alimentam conflitos entre milícias, tropas do governo e invasores estrangeiros. A mineração também tem sido associada à exploração desumana de trabalhadores, incluindo crianças, e à degradação ambiental.

Para agravar esses problemas, o leste do Congo tem sido atormentado pela violência ligada às longas e complexas consequências do genocídio de 1994 na vizinha Ruanda.

O Congo acusa Ruanda de apoiar o grupo rebelde M23, que luta contra as tropas do governo no leste. Ruanda nega.

“Além de milícias armadas, potências estrangeiras famintas pelos minerais de nosso solo cometem, com o apoio direto e covarde de nosso vizinho Ruanda, atrocidades cruéis”, disse o presidente congolês Felix Tshisekedi, falando pouco antes do papa e dividindo o palco com ele.

Na quarta-feira, Francisco celebrará uma missa no aeroporto de Kinshasa e se encontrará com as vítimas da violência do leste, destacando ainda mais as questões que levantou em seu discurso.

“Eu queria ir para Goma, mas não podemos por causa da guerra”, disse o papa a repórteres durante seu voo, referindo-se a uma cidade no leste do Congo que ele originalmente planejava visitar antes que a parada fosse cancelada devido aos combates na região.

Francisco ficará em Kinshasa até a manhã de sexta-feira, quando voará para o Sudão do Sul, outro país que enfrenta conflitos e pobreza.

Entrevistas

Rolar para cima