Moveleiros destacam importância do Promove para o Amazonas

Moveleiro José Tenório de Oliveira, 70 anos, é credenciado desde 2007 na ADS. Foto: Ruth Jucá/ADS
O Programa de Regionalização de Mobiliário Escolar movimentou mais de R$ 8,9 milhões em recursos só em 2022

O Programa de Regionalização de Mobiliário Escolar (Promove), do Governo do Amazonas, por meio da Agência de Desenvolvimento Sustentável (ADS), movimentou mais de R$ 8,9 milhões em recursos durante o ano de 2022, beneficiando mais de 1 mil moveleiros individuais de forma direta. Entre os municípios contemplados está Manacapuru, onde cooperativas e associações reforçam a importância dos investimentos para o desenvolvimento do setor.

O Promove é executado em parceria com a Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc) e tem por objetivo viabilizar incentivos para a fabricação de mobiliários escolares, tendo como matéria-prima a madeira oriunda dos Planos de Manejo Florestais. Dentre os itens fornecidos pelos moveleiros estão quadros, armários, mesas e cadeiras que contemplam todas as escolas públicas do Estado.

Segundo a presidente da ADS, Michelle Bessa, os benefícios decorrentes do programa já despontam sob a forma de novos empregos. “O Promove gera mais oportunidades de renda, sobretudo no interior do Estado, e agrega valor aos produtos florestais e possibilita a especialização da mão de obra nas áreas contempladas. É um programa com excelentes resultados e o ano de 2023 será promissor nessa área”.

Com mais de 40 anos de experiência no segmento, o moveleiro José Tenório de Oliveira, 70 anos, é credenciado desde 2007 na ADS e, durante os 16 anos em que fabrica móveis para Seduc, reconhece a importância do Promove. “É de extrema importância para o Estado do Amazonas, distribuindo renda para nossa classe. Antes todos os móveis da SEDUC eram comprados fora do estado e hoje esse dinheiro fica aqui e é distribuído para todos os moveleiros gerando emprego e renda”.

Moveleiro Francisco Aires da Silva, 50 anos, é beneficiado pelo Promove em Manacapuru desde 2016 – Foto: Ruth Jucá/ADS

O moveleiro Francisco Aires da Silva, 50 anos, é beneficiado pelo Promove em Manacapuru desde 2016 e destaca as vantagens de fazer parte do programa. “Tudo que eu tenho hoje foi conseguido com esse programa. Comecei a trabalhar no quintal do meu pai e hoje eu tenho minhas máquinas, local de trabalho, quatro marceneiros profissionais e quatro ajudantes. Essa iniciativa tem trazido benefícios e gerado emprego”.

José Aldemar Sepulvera, 50 anos, veio da Colômbia e é marceneiro na Princesinha do Solimões. Ele agradeceu a oportunidade de desenvolver o seu trabalho no Amazonas. “Estou muito grato pela oportunidade do Governo do Estado, esse é meu segundo ano no programa e tem me beneficiado muito em minha renda pessoal e facilitado minha entrada no mercado”.

Sobre o Promove

O Programa de Regionalização de Mobiliário Escolar integra o conjunto de políticas públicas do Governo do Amazonas voltadas ao desenvolvimento socioeconômico e ambiental do Estado.

Entre os objetivos do Promove está a ampliação e a diversificação de novos mobiliários das unidades de ensino estaduais e outros artefatos produzidos com madeira. O programa também visa fortalecer e estruturar as movelarias, viabilizando a aquisição de novas e modernas máquinas e equipamentos para o acabamento dos mobiliários.

O Promove foi criado em 2005 e, em 2010, houve a padronização de mobiliário escolar instituída pelo Decreto n.º 29.812.

Foto: Ruth Jucá/ADS

Credenciamento

Em 2022, a ADS credenciou empresas moveleiras em 15 municípios: Carauari, Eirunepé, Humaitá, Itacoatiara, Lábrea, Manacapuru, Manaus, Manicoré, Novo Airão, Parintins, Rio Preto da Eva, Tefé, Urucará, Boa Vista do Ramos e Novo Aripuanã.

O período de inscrições nos Editais de Credenciamento para o exercício de 2023 foi encerrado em dezembro e processo está em andamento para posterior publicação das associações e cooperativas aptas.

Última Edição

REVISTA DIGITAL

Seca atinge níveis alarmantes na Amazônia

Amazônia vem alcançando marcas negativas históricas e já vivencia crises ambiental, econômica e humanitária Leia matéria completa no link abaixo:

Entrevistas

Rolar para cima