BNDES lança edital que vai destinar R$ 26,7 milhões para projetos de restauração no Pará e Mato Grosso

Iniciativa do programa Floresta Viva selecionará nove projetos para a restauração ecológica no Xingu
Foto: Igor Nascimento/ Ascom/Semas

Da Redação, com informações da Semas/PA e O Liberal

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançou na terça-feira (05/09), Dia da Amazônia, o edital do programa Floresta Viva, que vai destinar até R$ 26,7 milhões, em recursos não reembolsáveis, para projetos de restauração de áreas degradadas e fortalecimento de cadeias produtivas da bacia hidrográfica do Xingu, na região amazônica.

O foco do programa “Floresta Viva” é oferecer apoio financeiro a projetos de restauração ecológica e preservação da biodiversidade em diferentes biomas. O financiamento será executado pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio). A iniciativa tem ainda a parceria da Energisa, Norte Energia e Fundo Vale. Cada uma, contribuirá com R$ 4,45 milhões.

No edital Xingu, foi levado em consideração o contexto socioeconômico e cultural da região, conciliando os benefícios ecológicos e de manutenção dos serviços ecossistêmicos com a geração de emprego, renda e segurança alimentar para as populações locais. Além disso, a ação contribui para a redução da pressão de degradação sobre a vegetação natural.

“Essa é mais uma iniciativa valorosa que abre um leque de oportunidades para projetos de sustentabilidade para a Amazônia e para o nosso Estado e que conta com o apoio da do Estado. Projetos como esse são necessários. A gente precisa que os atores envolvidos nessa iniciativa sejam, cada vez mais, âncoras e que, em parceria com o poder público, nos ajudem a fazer a implementação de políticas públicas”, explicou o secretário Mauro O’de Almeida, durante o lançamento do edital, ocorrido na Estação Gasômetro, em Belém (PA).

Até nove projetos serão apoiados, distribuídos em três regiões principais: baixo Xingu, médio Xingu e alto Xingu, nos estados do Pará e Mato Grosso. Para isso, o edital define metas específicas e terá prazo para execução de até 48 meses. Entre as entidades que podem participar estão instituições sem fins lucrativos, como associações civis e fundações privadas nacionais e cooperativas em qualquer grau de constituição.

As propostas devem ser enviadas até o dia 6 de novembro, por meio de formulário eletrônico, disponível no site: Floresta Viva – Bacia do Rio Xingu.

“Com o Floresta Viva estamos indo além do enfrentamento ao desmatamento. Estamos restaurando a floresta, recuperando a biodiversidade ao mesmo tempo em que geramos emprego, renda, e produção de alimentos saudáveis para a população local, como alternativa ao modelo predatório. Além disso, a ação contribui para a redução da pressão de degradação sobre a vegetação natural. Serão restaurados em torno de 1.500 hectares”, afirma Tereza Campello, diretora Socioambiental do BNDES.

O Floresta Viva é um programa do BNDES para restauro florestal. Dentro do programa, a instituição estima atingir R$ 1 bi em investimentos para restaurar entre 32 mil e 66 mil hectares e retirar até 18 mi de toneladas de CO2 da atmosfera.

Última Edição

Entrevistas

Rolar para cima