Mina 18 da Braskem se rompe em Maceió

O rompimento ocorreu no início da tarde de domingo, na Lagoa Mundaú, localizada no bairro do Mutange. Defesa Civil informa que não há riscos para a população
Câmeras de segurança na área da Lagoa Mundaú detectaram o momento do rompimento. Foto: Reprodução

Da Redação, com informações da Agência Brasil e g1

A mina n°18, que era operada pela mineradora Braskem, em Maceió (AL) se rompeu neste domingo, 10. Segundo informações da Defesa Civil, o rompimento ocorreu por volta das 13h15, na Lagoa Mundaú, localizada no bairro do Mutange. O órgão reforçou que toda a região está desocupada há vários dias e não há risco para a população.

O desastre na capital alagoana foi causado pela exploração de sal-gema em jazidas no subsolo, ao longo de décadas, realizado pela empresa Braskem. O sal-gema é um tipo de sal usado na indústria química.

Falhas graves no processo de mineração causaram instabilidade no solo. Ao menos três bairros da capital alagoana tiveram que ser completamente evacuados em 2020, por causa de tremores de terra que abalaram a estrutura dos imóveis. Nas últimas semanas, o risco iminente de colapso tem mobilizado autoridades, com afundamento do solo acumulado de mais de 2 metros.

Não se sabe ainda o tamanho da cratera aberta sob a água. Ao site g1, o coordenador da Defesa Civil de Maceió, Abelardo Nobre, descartou o risco de novos rompimentos na área.

“Não existe o risco de ser ampliado (rompimento), pelo contrário, agora vai entrar em um ritmo de desaceleração. O que aconteceu já estava dentro da área de previsão. Foi algo isolado e as outras áreas que estão sendo monitoradas por sensores não apresentaram nenhuma alteração. Pela imagens, foi uma medição pequena”, disse Abelardo Nobre.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil Municipal, os técnicos estão avaliando os danos ambientais causados pelo rompimento de parte da mina.

“Podemos dizer que houve um tremor pequeno, mas isso foi antes do rompimento. Agora vamos continuar monitorando a área e avaliar os danos ambientais. Reforçar também para as pessoas ficarem longe do local”.

Em 24 horas, a superfície da mina cedeu 12,5 cm. Apesar disso, o boletim divulgado mais cedo apontou para uma nova desaceleração no ritmo da movimentação do solo, com a velocidade indo de 0,54 cm/h para 0,52 cm/h.

Braskem – Em nota, a Braskem informou que “Às 13h15 deste domingo, câmeras que monitoram o entorno da cavidade 18 registraram movimento atípico de água na lagoa Mundaú, no trecho sobre esta cavidade. Toda a área, que vem sendo monitorada nos últimos dias, já estava isolada. Movimento semelhante ocorreu por volta das 13h45. O sistema de monitoramento de solo captou a movimentação por meio de DGPS instalados na região. As autoridades foram imediatamente comunicadas, e a Braskem segue colaborando com elas.”

Última Edição

Entrevistas

Rolar para cima