Morre Amazonino Mendes, ex-governador do Amazonas, aos 83 anos

O político estava internado no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista, e não tinha alteração no quadro de saúde
O fim de uma era na política do Estado do Amazonas, com a morte de Amazonino Mendes - Foto: Divulgação

Por Carolina Ferraz e Fabrício Julião / CNN em São Paulo

Morreu neste domingo (12), em São Paulo, o ex-governador do Amazonas Amazonino Armando Mendes, aos 83 anos. A família do político comunicou seu falecimento em uma nota de pesar.

“Foi uma vida vitoriosa dedicada com muito amor à família e ao povo do Amazonas. Amazonino deixa um Legado incomparável, como homem e político. Lutou bravamente como poucos, mas agora descansa em paz!”, diz a família de Amazonino, em comunicado.

O ex-governador do Amazonas estava internado no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista. Segundo boletim de sábado (12), ele estava com quadro inalterado, mas estável, sem previsão de alta hospitalar.

Em nota, o governo do Amazonas lamentou a morte de Amazonino Mendes. O governador Wilson Lima decretou luto de 7 dias no estado, as bandeiras de todas as repartições públicas ficarão hasteadas a meio mastro.

“O governo do Amazonas se solidariza com a família e amigos neste momento de dor, e reconhece a importante contribuição que Amazonino Mendes deu ao estado, entrando definitivamente para a história do Amazonas”.

Para Wilson Lima, Amazonino ficará para sempre na memória do povo amazonense como um home “alegre, carismático, que abraçava e acolhia”.

“Eu devo muito do que hoje sou ao ex-governador Amazonino Mendes. Entrei para a política fazendo críticas e buscando, em grande parte das vezes, sempre ser um contraponto ao que ele e seu grupo político foram e representaram para o nosso estado. Mas uma coisa é inegável: Amazonino foi um dos maiores líderes políticos da história do Amazonas”, afirmou Wilson Lima, nas redes sociais.

Vida política

Nascido em Eirunepé (AM), em 16 de novembro de 1939, Amazonino Armando Mendes ganhou destaque na política do Estado do Amazonas, principalmente nos anos 1980 e 1990.

Seu primeiro cargo de relevância nacional foi como prefeito de Manaus, função que ocupou pela primeira vez entre 1983 e 1985. Em 1987, tornou-se governador do Amazonas e, em 1991, senador pelo estado.

Voltou à prefeitura de Manaus em 1993, após deixar o Senado, mas ficou pouco tempo. Em 1994, disputou novamente o governo do Amazonas e venceu a eleição. Desta vez, com a reeleição, ele governou o estado até 2003, quando deixou o cargo para Eduardo Braga.

O retorno de Amazonino à vida política ocorreu em 2009, ano em que voltou à prefeitura de Manaus, onde ficou até 2013. Seu último cargo foi como governador do Amazonas, função que exerceu pela terceira vez entre 2017 e 2019.

A última disputa política de Amazonino ocorreu em 2022, pela disputa do governo do Amazonas, mas, nesta ocasião, o candidato do Cidadania ficou em terceiro lugar, com 18,56% dos votos válidos, e não foi ao segundo turno.

Entrevistas

Rolar para cima