Potássio do Brasil participa da Fertilizer Latino Americano neste domingo, 29

Empresa é uma das palestrantes da conferência, considerada o principal evento da indústria de fertilizantes da América do Sul
Presidente da Potássio do Brasil, Adriano Espeschit - Foto: Divulgação

A Potássio do Brasil é uma das empresas confirmadas no Fertilizer Latino Americano 2023 (Conferência Latino-americana de Fertilizantes), que será realizado de 29 de janeiro a 1º de fevereiro, no Sheraton Grand Rio Hotel & Resort, Rio de Janeiro. Considerado o maior evento da indústria de fertilizantes da América do Sul, a conferência deve reunir cerca de 900 participantes de mais de 50 países.

Durante esse período, a Potássio terá um estande para receber os visitantes e fazer reuniões de negócios com potenciais investidores, futuros clientes, potenciais fornecedores e autoridades. Além disso, na próxima terça (31), às 9h, o Chairman da Brazil Potash, Stan Bharti, fará a palestra de abertura do dia “Finance and investment in the Latin American fertilizer markets”.

A companhia já investiu cerca de US$ 230 milhões na descoberta e no desenvolvimento do Projeto Potássio Autazes, que será implantado no município de Autazes, a 112 Km de Manaus (AM), e terá a produção estimada de 2,2 milhões de toneladas de cloreto de potássio ao ano. Isso corresponderá a cerca de 20% do volume consumido nas lavouras brasileiras.

Até o final da construção, outros US$ 2,5 bilhões serão investidos, gerando mais de 1.300 empregos diretos durante os cerca de 23 anos de vida útil estimados para o projeto, além de mais de 2.600 empregos diretos anuais, em média, no período de instalação da mina subterrânea, da planta de beneficiamento, da estrada e do porto.

Em Autazes, o cloreto de potássio será extraído a cerca de 800 metros de profundidade, utilizando alta tecnologia. A técnica para a extração do minério é sustentável, pois utilizará o método de câmaras e pilares.

Nele, as câmaras subterrâneas são abertas e os pilares dão sustentação para a retirada da silvinita, minério que contém cerca de 30% de cloreto de potássio, no subsolo.

“É engenharia pura. Sustentabilidade é usar a engenharia de forma racional e adequada”, resume o presidente da Potássio do Brasil, Adriano Espeschit.

O potássio tem configurado nos últimos anos como o sétimo item de importação da balança comercial do Brasil, que produz cerca de 20% dos alimentos consumidos no mundo atualmente. Porém, mais de 95% do cloreto de potássio consumido hoje no país vem de fora, deixando o Brasil vulnerável às oscilações políticas e econômicas de outros países. “Por isso, falar do potássio brasileiro é falar de segurança alimentar, é falar nas potencialidades do nosso agronegócio, é sobretudo falar em soberania nacional”.

O Projeto Potássio Autazes está atualmente em fase de licenciamento ambiental junto ao órgão competente no Amazonas, o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam).

Mineração sem desmatamento de novas áreas
​O Projeto Potássio de Autazes foi concebido com o compromisso de promover uma mineração verde, segura e aberta ao diálogo com as comunidades locais. Esse diferencial começa pela reutilização de áreas de pastagem, o que evitará o desmatamento de novas áreas. Isso porque as instalações industriais do empreendimento serão construídas em locais já utilizados no passado para a criação de gado.

“Vamos fazer do Projeto Potássio Autazes uma referência na produção mineral sustentável no país. Na prática, nossa atuação está pautada em projetos que tenham o menor impacto ao meio ambiente, que sejam socialmente justos e comprometidos com o desenvolvimento humano, além de obedecerem às normas e a legislação brasileira de forma integral”, afirma o presidente da Potássio.

Mesmo sem desmatar novas áreas, a empresa irá reflorestar uma área dez vezes maior do que a que irá ocupar na superfície. Além disso, mais de 20 mil mudas já foram doadas ao município de Autazes no ano passado para projetos de reflorestamento e arborização urbana.

Sobre a Fertilizer

A Conferência Latino-americana de Fertilizantes é considerada a mais importante do setor, atraindo mais de 900 participantes entre produtores de fertilizantes, comerciantes, distribuidoras e consumidores de mais de 50 países da América Latina e de outras partes do mundo. Este ano, o evento será realizado no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, entre os dias 29 de janeiro e 1º de fevereiro. Os objetivos do evento são promover a troca de experiências, oportunidades de negócios, atualizações do mercado e debater como o contexto econômico pode impactar o setor.

SERVIÇO

  • O que: Fertilizer Latino Americano 2023
  • Quando: 29 de janeiro e 1º de fevereiro
  • Onde: Sheraton Grand Rio Hotel & Resort – Rio de Janeiro (RJ)
  • Inscrições: www.fla-conference.com

Entrevistas

Rolar para cima