UEA apresenta panorama da universidade ao Centro da Indústria do Estado do Amazonas

O diretor destacou as ações de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) da universidade em 2022 e as perspectivas para 2023
Foto: Daniel Brito/Ascom UEA

“A Agência de Inovação Tecnológica que tem um capital intelectual que está transformando a UEA como a primeira instituição pública que mais recebe recursos de aporte financeiro do Polo Industrial de Manaus (PIM)”.

A afirmação é do diretor da Agência de Inovação Tecnológica e Propriedade Intelectual da Universidade do Estado do Amazonas (Agin/UEA), Prof. Dr. Antônio Mesquita, durante a 299ª Reunião Ordinária de Diretoria do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), ocorrida na quarta-feira (08/02), na sede da instituição.

O diretor representou a reitora em exercício, a Prof.ª Dra. Kátia Couceiro, e também apresentou um panorama das ações de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) da universidade em 2022 e as perspectivas para 2023.

“A Agin/UEA tem 10 anos de existência e já temos o valor aportado pelas empresas do PIM de quase R$ 318 milhões, durante esses 10 anos de projeto P&DI. Atualmente, a UEA apresenta 550 docentes doutores e 350 mestres. Temos um capital intelectual que pode e deve apoiar as indústrias do PIM e do Estado. A nossa universidade tem realizado convênios importantes no Brasil. Visitamos a USP como parceira e, também, a Unicamp. Recentemente, estivemos nas universidades da Coréia do Sul”.

O presidente do Conselho Superior do Cieam, Luiz Augusto Rocha, disse que o afastamento entre indústria e academia é um problema nacional, não só do Amazonas.

“Mas aqui temos uma peculiaridade: a Universidade do Estado do Amazonas é, integralmente, custeada por recursos pagos pela indústria. Então, temos a obrigação de estar próximos e a UEA é uma instituição que nos dá muito orgulho. Ela está em todos os municípios do estado do Amazonas, gerando conhecimento, inclusão e educação, que é a saída que o nosso país precisa. Ao realizarmos esse trabalho de maneira espalhada por todo o estado, a UEA traz essa prova de que contribuímos com a sociedade e bem-estar do nosso povo”.

O diretor da Agin/UEA destacou que a UEA tem se comprometido a dar o feedback para as empresas do PIM em relação aos projetos de PD&I que as empresas têm necessitado.

“Então, todo esse capital intelectual tem transformado e publicado cases de artigos científicos na área tecnológica. Temos resolvido várias situações, as dores e as demandas das empresas. A Samsung é a empresa que mais investe dentro da UEA, na sequência temos a TecToy, a Procomp, a Calidus, a TPV, Calcomp, Amazon Take, Amasa e a Foxconn”.

O presidente do Sindicato da Indústria de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Estado do Amazonas (Sinaees), Sérgio Capela, reforçou que a aproximação entre a indústria e a UEA é de fundamental importância.

“Tanto do lado do Cieam, para que nós, que trabalhamos nas empresas, possamos entender como está funcionando a UEA, a penetração que a UEA está tendo. As informações que me foram passadas agora, me deixaram muito feliz. Isso amplia o conhecimento da participação da UEA no nosso estado”.

Portfólio

Ainda durante a reunião, o diretor da Agin/UEA mostrou o Portfólio de Projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) lançado em outubro de 2022 para professores, comunidade e empresários do PIM.

“Hoje, temos um portfólio com 133 projetos em diversas áreas, onde 55 são de P&D que estão ligados à Indústria 4.0. Esse portfólio está em e-book para todas as empresas interessadas em fazer essa parceria conosco. Tenho certeza que nós seremos parceiros e é nossa obrigação como universidade dar resposta ao Polo Industrial de Manaus”.

Mesquita reforçou que a universidade está à disposição das empresas de PIM e agradeceu o espaço do Cieam.

“É muito importante trazer a academia para dentro da empresa. Nosso papel enquanto universidade, é apoiar as empresas do PIM e gerar recursos humanos de qualidade e inovação tecnológica”.

Entrevistas

Rolar para cima